terça-feira, 8 de julho de 2008

A tal da Lei Seca

Um dos assuntos mais comentados dos últimos dias nas colunas e artigos dos jornais e revistas foi a nova lei seca. Muito se falou, muito se reclamou e os primeiro números divulgados deram conta do efeito imediato da fiscalização rigorosa feita pela polícia: os pronto-atendimentos dos hospitais públicos registraram queda de 20 a 40% nos atendimentos referentes ao consumo de álcool. É um belo número, não tenha dúvida. O problema é conseguir acreditar que nos próximos meses a fiscalização continuará rigorosa e que o brasileiro continuará respeitando a tal lei.

Mas dentro de todos os artigos que lí acerca do assunto um me chamou a atenção pelo tom polêmico, apesar de utilizar do antigo clichê de culpar o Estado por todos os problemas.
Em um dos trechos do artigo o autor dá a seguinte idéia: "Não custaria nada levar adiante a política de tolerância zero promovendo, por exemplo, a responsabilização criminal de quem mantém ruas esburacadas e estradas sem sinalização. Afinal, o melhor exemplo deveria partir deles mesmo." Ele também considera a nova lei "uma espécie de transferência para o cidadão da (ir)responsabilidade do Estado, agravada pelo fato de os transportes públicos não funcionarem nas madrugadas e os níveis de segurança nas ruas ainda estarem longe do razoável."

Leia aqui o artigo completo.

Eu sei que as opiniões são diversas, controversas e polêmicas, mas é para isso que existe a Web. Vamos nos expressar!!

Eu acho que infelizmente a cultura do brasileiro tem suas deficiências e este é um bom exemplo: se não punir radicalmente temos uma forte tendência a não obedecer. Mas ao mesmo tempo eu concordo com o autor do artigo, o Estado tem uma ponta de culpa nisso tudo.

E você, o que pensa sobre o assunto? Os culpados pelos acidentes somos nós? O Estado? Os fabricantes de bebidas? A Rede globo?

3 comentários:

Bruno disse...

acho que todos temos a nossa parcela de culpa!Nós ( motoristas), os fabricantes de bebidas com suas "chamativas" propagandas e o Estado é claro.
Nas estradas a tolerância deve ser zero, pois como já dizia meu pai; estrada não admite erro.Agora, na cidade deveria ter uma tolerância um pouco maior, é ridículo uma pessoa não poder tomar uma taça de vinho no almoço por exemplo até porque na maioria das vezes pode ser por recomendação do médico ou nutricionista.
Vamos esperar que os 'moralistas" percebam e adaptem a lei a nossa realidade.

Christofer Castro disse...

Porque só agora foram intensificadas as fiscalizações? Não tinham contingente para fazer isto antes? Quando o limite era apenas duas latinhas? O que está funcionando é o medo da fiscalização e da multa! O medo de ser apreendido! Mas isso acontecia antes! Bebum, ia para delegacia e tinha o carro apreendido!Só que as blitz só apareciam na época de IPVA!
Me parece que a polícia tá de olho na arrecadação para pagamento do 13º salário!
É claro que eu sou contra uma pessoa dirigir absolutamente alcoolizada e perigosamente! Mas JÁ EXISTIA LEI PARA ISSO!!!!! A fiscalização que aumentou consideravelmente agora! Porque não antes? Adianta alguma coisa estar escrito no código penal "Matar alguém, pena xxx"! O povo continua matando! O que tem de haver é a majoração do policiamento, não uma lei! Matar alguém, pena de morte??!!
Tenho dito!

Christofer Castro disse...

eita blog lento de conteúdo! eheheh