segunda-feira, 16 de junho de 2008

Carro movido a Hidrogênio

Entrou hoje em produção o primero carro do mundo movido a hidrogênio, é o Honda FCX Clarity. Do seu cano de descarga sai apenas vapor de água, nada de monóxido e dióxido de carbono.











Além de ecologicamente correto, o danado é bonito. Outra vantagem que está sendo alardeada pela Honda é o relativo baixo preço do carro, diante de uma tecnologia altamente inovadora.
Mas quem optar por colocar um desses na garagem terá uma dificuldade: encontrar um posto de combustíveis, um problema ainda sem solução para o uso em larga escala de veículos movidos a hidrogênio.

Só nos resta aguardar para ver quando este tipo de carro substituirá os jurássicos motores que equipam os atuais modelos desde o início do século passado.

6 comentários:

Christofer Castro disse...

Quando a esmola é demais, o santo desconfia.
Eu vi em uma matéria, no Discovery Channel, que para se refinal hidrogênio, damanda muita energia e polui bastante!

Sai o monopólio do petróleo e entra o das refinarias de hidrogênio!


Tenho dido!

Anônimo disse...

nÃO EXISTE REFINARIA DE HIDROGÊNIO MEU CARO ...é produzida através de eletrólize e apartir de 1.27V e 5A, ou seja ... com uma pilha já é possível ,existem agora conceitos em que você pode fazer seu automóvel ser movido por gás "BROWN" ou se preferir HHO , e os resultados são os mesmos , água como descarga, considerando-se que essa idéia tem mais de 50 anos ... a esmola está de muitíssimo bom tamanho,e, fica o dito pelo não dito , sendo mais específico dar um google por aí antes de afirmar .

Christofer Castro disse...

Bom. A constituição da república nos dispõe. O art. 5º da Constituição diz que: "IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;".

Realmente é muito estranho responder para alguém que não se expõe, mas vamos lá.

Concordo com você. O termo refinaria de hidrogênio foi muito infeliz. Mas, se você desdobrar o raciocínio verá que para consecução de hidrogênio, ou seja lá qual for o termo técnico adequado, demanda-se ENERGIA. Então, qual é a graça de uma energia limpa que demanda outras formas de energia para ser "fabricada"?!

Quanto ao exemplo que você deu. Das pilhas.
Ao fabrica-las, demanda-se energia. Seja para embala-las, seja para adequar seus elementos químicos. (Sinceramente não sei como se fabricam pilhas, vou olhar no google depois).

E, ao final de sua vida útil resta descarta-la, gerando-se assim, mais poluição.

Meu comentário baliza-se neste raciocínio. Qual a graça de uma energia limpa, que para sua consecução (manufaturamento, eletrólise, o que for...) gaste mais energia.?

Imaginemos abastecer um carro com hidrogênio retirado por meio de eletrólise de centenas de pilhas. Viva a poluição! rs

Mas é claro que você não quis dizer isso! Se se desdobrar o seu pensamento, percebe-se que é fácil conseguir hidrogênio! Foi isso que você quis dizer!

E o que eu quis dizer é: Que é sujo se conseguir hidrogênio! Mas, parece que a pressa para escrever um comentário anônimo foi maior que um pouco de ponderação!

p.s. Eletrólise é com “S”, está no google! Rs


Christofer Magalhães Castro

Anônimo disse...

Christofer,

É possível produzir a energia necessária à electrólise da água (electricidade) através de energias limpas, como a solar e a eólica.

David Valcarcel disse...

boa! não acho saudável que a questão da energia limpa alternativa HHO deva gerar discussões nesse sentido entre vcs, dando alfinetadas um ao outro.
É claro que o hidrogênio eh a melhor opção, e os interesses políticos não permitem tal investimento, o monopólio do petróleo tem que ruir pra que outras opções venham a tona em um nível que atinja as massas.
Abraços.

David Valcarcel disse...

boa! não acho saudável que a questão da energia limpa alternativa HHO deva gerar discussões nesse sentido entre vcs, dando alfinetadas um ao outro.
É claro que o hidrogênio eh a melhor opção, e os interesses políticos não permitem tal investimento, o monopólio do petróleo tem que ruir pra que outras opções venham a tona em um nível que atinja as massas.
Abraços.